Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

01
Dez17

O Homem do Leme perdeu a luta

Charneca em flor

 

A memória mais antiga que tenho dos Xutos é uma cassete que o meu primo, 4 anos mais velho, me gravou. Não sei que idade tinha mas foi naquele tempo longínquo em que a música se ouvia em gira-discos e nas velhinhas cassetes. Devemos ao Zé Pedro e aos Xutos algumas das melhores músicas do música portuguesa. Zé Pedro é um figura incontornável do Rock Português e de quem toda a gente gostava. A vida de excessos que levou até 2001 conduziu a este desfecho, esta morte prematura apesar dos 61 anos. Porque parecia eternamente jovem. Há uns anos tive o prazer de ver um concerto dos Xutos e Pontapés na baía do Seixal integrado nas comemorações do 25 de Abril. Foi épico. Lembro-me de ficar espantada com a energia inesgotável de todos eles. Tocaram muito mais tempo do que estava previsto sempre com uma entrega total. Inesquecível. 

Zé Pedro continuará vivo nas suas músicas porque uma estrela, mesmo quando morre, continua a brilhar por muito, muito tempo.

 

Sozinho na noite

Um barco ruma para onde vai.

Uma luz no escuro brilha a direito
Ofusca as demais

 

E mais que uma onda, mais que uma maré
Tentaram prendê-lo impor-lhe uma fé
Mas, vogando à vontade, rompendo a saudade
Vai quem já nada teme, vai o homem do leme

 

E uma vontade de rir, nasce do fundo do ser
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir
A vida é sempre a perder

 

No fundo do mar
Jazem os outros, os que lá ficaram
Em dias cinzentos
Descanso eterno lá encontraram

 

E mais que uma onda, mais que uma maré
Tentaram prendê-lo, impor-lhe uma fé
Mas, vogando à vontade, rompendo a saudade
Vai quem já nada teme, vai o homem do leme

 

E uma vontade de rir, nasce do fundo do ser
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir
A vida é sempre a perder

 

No fundo horizonte
Sopra o murmúrio para onde vai
No fundo do tempo
Foge o futuro, é tarde demais

 

E uma vontade de rir nasce do fundo do ser
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir
A vida é sempre a perder

Mais sobre mim

foto do autor

Livro do momento

Ebook do momento

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D