Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Chique a valer

Charneca em flor, 09.03.21

EÇA-DE-QUEIRÓS-Foto-por-Ekonomista.jpg

Todos os dias, se procurarmos bem, encontramos uma polémica a incendiar as redes sociais. No passado domingo, foi o romance de Eça de Queirós, "Os Maias", o mote para mais um fogacho. Bom, na verdade, foi a análise feita pela investigadora Vanusa Vera-Cruz no âmbito de doutoramento que está a tirar numa Universidade nos Estados Unidos. Esta investigadora sugere que se introduza uma nota pedagógica na obra do séc. XIX por causa de algumas passagens que considera racistas. A investigadora identifica "Os Maias" como uma das maiores obras de arte da cultura portuguesa mas aponta, para além das intervenções do narrador, João da Ega como uma personagem racista. 

Dei por esta polémica no Twitter mas, antes de embarcar nesta onda, fui procurar algo mais palpável para perceber de onde vinha esta assunto. Vinha daqui.

Começo já por dizer que Vanusa Vera-Cruz nunca diz, em momento algum, que a obra devia ser proibida mas, apenas, ter uma nota pedagógica sobre este tema.

"Os Maias" fizeram parte do meu percurso escolar como aconteceu com a maioria de vós, presumo. A minha professora optou por dividir a obra por vários temas sobre os quais teríamos que fazer trabalhos de grupo. A minha turma empenhou-se muito nesta tarefa e na apresentação dos trabalhos. Houve vídeos, apresentação de slides* com imagens dos locais mais emblemáticos de Sintra e várias modalidades de apresentação. Guardo óptimas memórias desses dias. Acontece que comecei a ler o livro nessa altura mas o tempo foi escasseando e não o acabei de ler como um romance mas fui-me debruçando nas partes que tinham mais a ver com o meu tema. No entanto, algum tempo depois, voltei à obra e foi um dos melhores livros que li. Pelo que me lembro, este livro é um excelente documento de análise social da época. E, se pensarmos bem, alguns dos defeitos da sociedade do séc. XIX ainda andam por cá. 

Como é óbvio, não podemos olhar para obras do séc. XIX, ou do início do séc. XX, com os olhos do séc. XXI. Mas também não se pode branquear (má escolha de palavras, não é?) o passado nem o pensamento social de outras épocas. Há situações e personagens em romances, filmes ou séries que existem, exactamente, para nos fazer pensar e tirar as nossas próprias conclusões. A literatura serve para nos fazer pensar, para nos tornar mais empáticos e mais esclarecidos. Não podemos chegar a um livro, seja qual fôr a nossa idade, e ter a papinha toda feita, ou seja, ter o livro todo muito bem explicadinho. Perderia toda a graça. O que não quer dizer que, em ambiente escolar, os professores não tenham que fazer um enquadramento histórico e social para que os jovens possam compreender melhor.

E, já agora, faz muita falta, a jovens e adultos, aprenderem a perceber ironia. O mundo seria muito mais divertido.

Agora fiquei com saudades de voltar a ler "Os Maias".

*slides mesmo que eu sou antiga. No meu tempo ainda não havia powerpoint .

Rescaldo do Festival

Love is on my side, The Black Mamba

Charneca em flor, 08.03.21

Como já devem ter percebido, sou fã do Festival da Canção. Deixei de acompanhar durante uns anos mas retornei quando a RTP iniciou o formato actual. Já aqui tinha feito a minha aposta e no sábado lá tentei seguir a final. Comparem a minha aposta com a realidade

20210307_225457.jpg

A minha aposta

20210307_225023.jpg

A classificação final

Basicamente acertei no 2o, no 3o, no 8o e no último. Não está mal

Fiquei muito surpreendida com a vitória dos The Black Mamba mas, pelo que li, eles próprios nunca acreditaram que fosse possível ganhar com uma canção totalmente em inglês. Um dos elementos fundadores do grupo, o Tatanka, foi o compositor convidado e explicou que resolveram concorrer com uma música em inglês por coerência com o seu percurso. Faz sentido. 

Como viram, eu não apostava neles. Aliás, embora reconheça um timbre fora do vulgar, não sou apreciadora da voz de Taranka. Mas pode ser um caso de "primeiro estranha-se, depois entranha-se".

Se eu acho que faz sentido ir à Eurovisão com uma música em inglês? Não, de todo. E digo isto em relação a todos os países, deveriam levar canções na sua própria língua.

Seja como fôr, regras são regras e o vencedor está escolhido. Desejo-lhes toda a sorte do mundo. E fiquem com a canção vencedora

 

 

Desafio dos Lápis de Cor #azul claro

Olhos azuis são ciúme*

Charneca em flor, 03.03.21


Algumas horas antes do pôr-do-sol

A tarde de aulas ia a meio. Os alunos usufruíam do intervalo mais alargado. Sofia estava aborrecida com o facto de Tomás se ter deixado deslumbrar com a atenção provocada pela sua chegada de moto. Durante a maior parte do dia tinha conseguido evitar encontrar-se com Tomás mas, desta feita, ele tinha conseguido chegar à fala com ela. Conversavam, animadamente. Tomás não poupava nas carícias enquanto tentava convencer a sua amada a irem de moto até à praia ao entardecer.
Ao longe, Ana observava a cena em silêncio rodeada da sua corte de outras miúdas que a bajulavam com esperança de também serem populares só por acompanharem com a mais popular. Os seus olhos azuis, de um tom de azul tão claro quase transparente, faiscavam. Rute reparou naquele olhar e seguiu-lhe a direcção:
- Então, Ana, porque estás com esse olhar? – perguntou surpreendida por ver a amiga a olhar para aquele par de namorados.
- Ainda estou para saber como é que aquela mosquinha morta conseguiu fisgar o rapaz novo.
- Então, não te lembras?! Ela contou que se conheceram no bar e estiveram horas a conversar.
- Eu ouvi essa história mas custa-me a acreditar. Nunca pensei que conversar sobre livros seduzisse alguém, ainda mais um rapaz daqueles, bom como o milho.
Helena ouvia a conversa a curta distância e não conseguiu deixar de intervir:
- Como é que podes falar assim da Sofia? Vocês são amigas há tantos anos. Ela considera-te como a melhor amiga.
Ana deu uma gargalhada estranha, quase maquiavélica:
- Dá-se demasiada importância à amizade. É um bocado exagerado dizer que somos as melhores amigas. Temos uma relação de… como é que disse a professora de biologia? Simbiose, será? Ela ganha em ser minha amiga porque, sendo minha amiga, a malta não a acha assim tão estranha. Eu ganho os melhores trabalhos de casa. – o olhar de Ana revelou-se mais frio do que era habitual. As outras raparigas arrepiavam-se ao olhar para aqueles olhos azuis translúcidos.
Sofia encaminhou-se até ao grupo de Ana com um sorriso tímido e uma expressão feliz mas ligeiramente ensombrada por alguma preocupação:
- Olha, Ana, no fim das aulas vou dar uma volta com o Tomás e vou chegar a casa mais tarde. Posso dizer à minha mãe que estive em tua casa para um trabalho de grupo?
- Claro que sim. – Só a Rute e a Helena é que repararam no tom falso daquela afirmação.
- Obrigada, és uma querida. – Sofia afastou-se em direcção à casa de banho.
- Sabem que mais? Já sei como é que posso afastar a Sofia do queridinho. E depois o caminho fica livre para mim. Quero ver se ele não me vai preferir em vez da intelectual. – o olhar voltou a faiscar.
- O que é que vais fazer? – perguntaram as outras.
- Logo verão.
Nos lindos olhos azuis, claros como água, brilhava a imagem do ciúme e da inveja.

 

Participam neste Desafio da Caixa de Lápis de Cor da Fátima Bento, as brilhantes ConchaA 3a FaceMaria AraújoPeixe FritoImsilva, Luisa de SousaMariaAna DCéliaGorduchitaMiss LollipopAna MestreAna de DeusCristina Aveirobii yue e os brilhantes  José da Xá e João-Afonso Machado

 

*título, descaradamente, roubado à canção "Olhos castanhos" de Francisco José.

Semi-finais do Festival da Canção

Rescaldo

Charneca em flor, 02.03.21

No sábado passado decorreu a 2a semi-final do Festival da Canção. Desta vez a minha aposta foi melhor do que na 1a semi-final já que acertei em 3/5.

Assim vou experimentar a fazer a minha classificação final. Vamos ver se acerto nalguma:

  1. "Contramão" - Sara Afonso
  2. "Por um triz" - Carolina Deslandes 
  3. "Dancing in the stars" - Neev
  4. "Joana do Mar" - Joana Alegre 
  5. " Saudade" - Karetus e Romeu Bairos
  6. "Não vou ficar" - Pedro Gonçalves 
  7. "Na mais profunda saudade" - Valéria 
  8. "Volte-face" - Eu.Clides
  9. "Love is on my side" - The Black Mamba
  10. "Dia lindo" - Fábia Maia

Quem quiser ouvir todas as músicas é passar por aqui

Cover me in sunshine, P!nk e Willow Sage Hart

Charneca em flor, 01.03.21

Uma das aplicações que mais utilizo é o spotify, seja para ouvir podcasts ou para ouvir música. Sigo uma playlist que se chama "New Music Friday Portugal" que actualizada todas as 6as feiras, como o próprio nome indica. É assim que descubro novas músicas. Há semanas em que nenhuma música me seduz e há outras em que gosto de várias. Há 2 semanas descobri esta música encantadora em que P!nk canta com a filha Willow.

Boa semana.

 

Pág. 2/2