Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Desafio de escrita dos Pássaros tema #10

Já chegámos? Já chegámos?

Charneca em flor, 15.11.19

A viagem só tinha começado há 5 minutos e já ela estava a perguntar:
- Falta muito? Falta muito?
- Sim, querida, ainda falta muito. Tenta aguentar a ansiedade.
Continuei a conduzir pelas estradas secundárias ladeadas por árvores frondosas. A bonita paisagem que se via para lá do vidro do carro atenuava ligeiramente o tumulto que eu sentia dentro de mim.
Eu amava muito a mulher que ia a meu lado mas era cada vez mais difícil ouvir a sua voz aflitiva:
- Já chegámos? Já chegámos?
- Só andámos uns 10 kms desde a última vez que perguntaste. Sabes que estamos muito longe do nosso destino. Tens que ter paciência.
O carro continuava a rolar à velocidade possível. E a voz dela voltava-se a ouvir:
- Ai, que eu não aguento estas dores. Vai mais depressa. As contracções estão cada vez mais próximas.
- Não consigo ir mais depressa, minha querida. - apertei-lhe a mão tentando transmitir-lhe a minha força.
Eu ia seguindo o caminho, curva após curva. Parei num cruzamento.
- Já chegámos? Já estamos no hospital?
- Ainda não. Sossega. Fecha os olhos que estamos lá em menos de nada.
Finalmente ela fechou os olhos e adormeceu. Continuei a conduzir para garantir que ela permanecia adormecida. Assim que me foi possível voltei para trás para regressar a casa. A mulher que dormia ao meu lado era a minha mãe. Adorava-a mas era cada vez mais difícil acompanhá-la. Ela sofria de Alzheimer e já não me conhecia. Ela pensava que eu sou o seu marido, o meu pai que já falecera há muitos anos. De vez em quando a mente dela recuava até ao dia mais feliz da sua vida, o dia do meu nascimento. A minha mãe voltava a “sentir" os sinais do parto como se eu estivesse prestes a nascer e só se acalmava com um passeio de carro como se fôssemos a caminho da maternidade. Ao fim de algum tempo, adormecia e quando acordava era, de novo, uma mulher de 80 anos.
Com o coração cada vez mais apertado, imobilizei o carro à porta de casa.
- Mãe, acorda. Já chegámos. Estamos em casa.
- Hã?! Quem é o senhor? Onde é que estou?
- Sou eu, o teu filho.
- Não sei quem és mas pareces simpático. – e a minha mãe brindou-me com um sorriso que me aqueceu o coração.

Foto_EvangelizarEPreciso_01.jpg

 

A minha participação, desta semana, nesta aventura. O mote para este texto foi a pergunta: "Já chegamos? Já chegamos"

22 comentários

Comentar post