Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Desafio dos Lápis de Cor #castanho escuro

Apaixonei-me por ti, outra vez

Charneca em flor, 07.04.21

Lentamente, Sofia foi despertando ao sentir o seu corpo tocado pela luz da manhã. No ar pairava um delicioso aroma a café acabado de fazer. Confusa, olhou em volta sem se aperceber bem de onde estava. Ao seu lado esquerdo, um jovem adolescente sorria-lhe, encerrado na sua moldura.

De repente, as lembranças surgiram em catadupa. O reencontro com o seu primeiro amor tinha despoletado uma inundação de emoções que ela julgava devidamente enclausuradas como água numa represa. Quando Tomás lhe estendeu o livro para que o autografasse foi como se as comportas do seu coração se abrissem e deixassem correr as recordações da adolescência.

No final da sessão de autógrafos, Sofia sentiu que Tomás era como um magnete que a atraía e ao qual ela não conseguia escapar. Na verdade, também não fez muito esforço para o evitar. Inevitavelmente, saíram juntos com a intenção de tomarem um café e recuperaram os anos que tinham passado.

Ambos falaram das suas vidas. Sofia partilhou o seu percurso universitário, a experiência do Erasmus e o seu trabalho em vários países da Europa. Ambos soltaram gargalhadas com as histórias caricatas que Sofia contavam com muita graça. Ela falou, também, da aventura de ter saído da sua zona de conforto para escrever um livro e da coragem que teve que ter para o mostrar a alguém. Tomás, a medo, falou-lhe da sua relação turbulenta com Ana, de como tinham sido pais tão cedo o que o levara a abandonar a faculdade no 1° ano para começar a trabalhar.

A conversa corria tão agradável e escorreita que se prolongou para um jantar à beira-mar, na mesma praia onde tinham passado os últimos momentos juntos. A magia daquele lugar, ao entardecer, reacendeu a química que havia entre eles tornando o ar que os rodeava electrizante.

Emocionado, Tomás pegou-lhe e pediu perdão por, no passado, não ter lutado pelo amor que sentia por ela. Quando ela acabara o namoro sem grandes explicações, ele sentira-se rejeitado. Esse sentimento acabara por conduzi-lo para os braços de Ana com quem vivera um amor obsessivo, mais baseado na atracção física do que na comunhão de almas. Uma relação que acabara, repentinamente, quando o filho de ambos tinha 3 anos porque Ana o abandonou, não tinha sido talhada para a vida familiar. Sofia, pela sua parte, desculpou-se por não lhe ter explicado a razão que a levara aquela atitude e lamentou que a relação dele não tivesse durado.

Sofia e Tomás estavam tão satisfeitos na presença um do outro que mal tocaram na comida. No fim do jantar, de mãos dadas, caminharam pela praia enquanto as ondas lhes beijavam os pés descalços. Instalou-se um silêncio aconchegante entre os dois. A brisa fez com que os braços nus de Sofia se arrepiassem. Tomás acariciou-a para a aquecer. Quase que era possível ouvir o bater sincronizado dos seus corações. O beijo que trocaram incendiou-lhes os corpos e não mais se desligaram. Completamente hipnotizados um pelo outro, mal conseguiram chegar a casa de Tomás para darem largas à paixão que estivera aprisionada durante tantos anos.

Já completamente desperta, Sofia descobriu uma t-shirt de Tomás e vestiu-a para descobrir de onde vinha o aroma a café. Chegou à cozinha sem fazer barulho e surpreendeu Tomás, de costas para a porta, a preparar um tabuleiro com um belo pequeno-almoço. Para não estragar a surpresa, voltou para o quarto.
Alguns minutos depois, ele entrou no quarto com um tabuleiro recheado com apetitosas iguarias.

0f0209b88406f2a7324e65550c7ddffb-754x394.jpg

Imagem daqui

- Oh, já acordaste?! – Tomás deu-lhe mais um beijo apaixonado enquanto tentava pousar a comida. Já perdera a conta de quantos foram. Parecia que, num dia, lhe queria dar todos os beijos que não lhe dera nos últimos 15 anos.

- Tu não existes. Eu mereço isto tudo?! Cheira tão bem a café. E o que é isto? Um croissant de chocolate?! – descobriu ela deliciada.

- Ainda me lembro de que eras viciada em chocolate. Espero que continues a gostar. 

Enquanto saboreavam, com gosto, a comida preparada por Tomás, iam trocando carícias. Era como se aquele tempo todo não tivesse passado e voltassem a ser adolescentes.

- Sabes, Sofia, ontem quando te vi tão segura e maravilhosamente bela, apaixonei-me por ti outra vez. Agora que te encontrei, não mais te perderei de vista.

Sofia ouviu aquelas palavras enquanto bebia aquele delicioso líquido castanho muito escuro. O seu coração derreteu-se. As últimas horas tinham sido intensas e felizes mas não tinha a certeza de que estava disposta a abdicar da sua independência para deixar o passado voltar à sua vida.

 

Participam neste Desafio da Caixa de Lápis de Cor da Fátima Bento, as brilhantes ConchaA 3a FaceMaria AraújoPeixe FritoImsilva, Luisa de SousaMariaAna DCéliaGorduchitaMiss LollipopAna MestreAna de DeusCristina Aveirobii yue, os brilhantes  José da Xá e João-Afonso Machado.

Agora também com a participação especial da nobreza na pessoa a talentosa e divertida Marquesa de Marvila

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.