Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Desafio dos Lápis de Cor #vermelho

Charneca em flor, 31.03.21

15 anos depois

e2d22485f5c53ccef1610073635d97ea--julia-engel-loub

Sofia dava os últimos retoques no seu visual. Enquanto olhava a sua imagem reflectida pelo espelho, meditava no percurso que fizera até chegar ali.

Embora visitasse os pais com frequência, há muito que deixara de viver com eles. Quando entrara para a faculdade, fora viver com a tia Rosário. Ao libertar-se do amor sufocante dos progenitores, tornara-se numa jovem completamente diferente. A pouco e pouco foi fazendo novas amizades e embrenhou-se a vida universitária. Continuava a ser uma aluna de excelência o que não impedia de ir às festas. Tal como qualquer outra jovem, conheceu um ou outro rapaz com quem namorou. De vez em quando pensava que tinha encontrado o amor da sua vida mas, quando as coisas não corriam de feição, voltava a pensar em Tomás. Mesmo sabendo que cada um deles tinha escolhido o seu próprio caminho.

Embora fosse alguns fins de semana a casa, não tinha o hábito de conviver com os antigos colegas . Apenas se encontrava com Helena. Fora assim que seguira, à distância a vida de Tomás. Por ironia do destino tinha acontecido com Ana e Tomás aquilo que os seus pais tinham temido que acontecesse consigo. Ana e Tomás tinham sido pais de um menino, antes de completarem 20 anos.

Os livros e a escrita continuaram a fazer parte da sua vida embora a sua formação nada tivesse a ver com literatura. Aliás, andava sempre com um caderno onde apontava os seus pensamentos, aquilo que lhe ia acontecendo, as histórias que nasciam no seu íntimo, os seus poemas… A sua colecção de cadernos era famosa entre os seus amigos mas não os mostrava a ninguém.

No seu último ano de faculdade, participara no programa Erasmus e viajara até Milão. A experiência de viver no estrangeiro foi tão enriquecedora que, com um interregno para fazer os exames para finalizar o curso, nunca mais deixou de trabalhar no estrangeiro. Depois de viver e trabalhar países europeus, sentiu-se preparada para realizar um sonho antigo, escrever um livro. Durante 2 ou 3 anos, todos os tempos livres eram ocupados a escrever e a estruturar a sua história. Nada disse à sua tia Rosário porque ela tinha amigos na área editorial. Aquilo que conseguisse, seria por si, pelo seu talento. Sofia tornara-se uma mulher segura e decidida, apostada a vencer fosse em que área fosse graças ao seu esforço.

E foi esse propósito que a conduzira aquele momento preciso da sua existência. Submetera o seu manuscrito a um prémio literário destinado a jovens escritores desconhecidos com menos de 35 anos. Com surpresa, viu o primeiro prémio atribuído ao seu romance. Quando a organização lhe perguntou pelo melhor lugar para receber o prémio e lançar o seu livro, viu nisso a melhor oportunidade para fechar um círculo e voltar à pequena cidade onde crescera.

Sofia sorriu ao olhar naquilo que o espelho lhe devolvia. Naquele dia, ela seria o centro das atenções e com aquele vestido vermelho-sangue sentia-se segura e poderosa, bem diferente daquela adolescente que quase se colava às paredes para que ninguém desse pela sua presença.

Um toque de baton, igualmente, vermelho e estava pronta para o seu momento de glória.

O auditório municipal onde a cerimónia ia decorreu estava à cunha. Toda a gente queria ver a filha da terra. Na primeira fila, os pais e a tia distribuíam sorrisos para a direita e para a esquerda.

A cerimónia decorreu com os elogios da praxe e os discursos emocionados habituais naquelas ocasiões. De seguida seria a sessão de autógrafos. Sofia perdeu a conta a quantos livros assinou e quantas pessoas cumprimentou. A mão já estava dormente mas não queria defraudar as expectativas de quantos ali tinham vindo. Então, viu-o. Levantara a cabeça para perceber se ainda restavam muitas pessoas e reparou num homem que lhe parecia familiar. Era alguém que segurava o seu livro aberto, como se já estivesse a lê-lo enquanto esperava. Sentindo-se observado, ele levantou os olhos do livro e cruzou o seu olhar com o de Sofia. Aqueles olhos cor de avelã eram inconfundíveis, não podia ser outro. Tomás aguardava o seu autógrafo. Nesse momento, Sofia sentiu-se ruborizar ao ponto do seu rosto reflectir o tom do seu vestido. O rosto ardia de tão vermelho que devia estar. Naquele instante, voltou a ser a adolescente tímida que era há 15 anos.

 

Participam neste Desafio da Caixa de Lápis de Cor da Fátima Bento, as brilhantes ConchaA 3a FaceMaria AraújoPeixe FritoImsilva, Luisa de SousaMariaAna DCéliaGorduchitaMiss LollipopAna MestreAna de DeusCristina Aveirobii yue, os brilhantes  José da Xá e João-Afonso Machado.

Agora também com a participação especial da nobreza na pessoa a talentosa e divertida Marquesa de Marvila

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.