Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

"O meu irmão", Afonso Reis Cabral

Charneca em flor, 04.06.15

Infelizmente não tenho tido oportunidade de actualizar o blogue como gostaria. Sendo assim o livro que acabei de ler não chegou a morar ali ao lado. Desta vez optei pelo último premiado com o Prémio Leya. Este autor, Afonso Reis Cabral, foi muito falado na altura que se conheceu o vencedor. Por um lado pela unanimidade que gerou no júri mas também por se tratar de um trineto de Eça de Queiroz. Este livro aborda a relação, nem sempre fácil, entre 2 irmãos, o mais novo com Síndrome de Down. A relação fica mais próxima depois da morte dos pais já que o irmão mais velho, o narrador da história, resolve mudar de vida e de cidade para poder acolher o irmão. Quando abrimos a primeira página encontramos os 2 irmãos a caminho de uma pequena aldeia onde a família tinha uma casa.

Durante essa estadia o irmão mais velho vai passando em revista a vida dos 2 irmãos, a sua relação, as dificuldades de viver com um irmão deficiente e vai tentando aproximar-se do irmão Miguel. Para isso tem que lutar contra a imagem de Luciana, outra deficiente, por quem Miguel nutre sentimentos amorosos tão profundos que ocupam todo o seu coração. Não há lugar para mais ninguém nem sequer para o irmão do qual não conhecemos o nome.

Não posso contar mais senão estrago a surpresa. Porque este livro é verdadeiramente surpreendente e perturbador. Perturbador porque mostra uma realidade desconhecida para a maioria dos leitores, perturbador porque a linguagem é crua, dura, violenta até em alguns momentos. Perturbador porque aquela escrita não parece ter saído do jovem sorridente que descobrimos na badana. Perturbador porque se percebe que o amor, mesmo o amor fraternal, pode ser obsessivo. Surpreendente porque por mais que o narrador vá dando pistas ao longo da história, nada nos prepara para o desenlace final.

Aqui fica um cheirinho:

"Nos primeiros tempos depois de conhecer a Luciana, ao regressar a casa, o Miguel atirava-se para os braços da minha mãe com entusiasmo de inocente. Corrida e salto em frente ao espelho da sala de jantar, enquando olhava para as costas da mãe reflectidas no espelho e metia a língua repleta de nervuras para fora. Babava-se sobre o cabelo que a minha mãe se esforçava por manter loiro. Adaptava a posição do corpo às zonas de maior visibilidade, por entre as manchas do espelho antigo. Chegava às cinco da tarde, e mal saía da carrinha branca com letras azuis da APPACDM, berrava para o nosso primeiro andar «O Miguel chegou!»"

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.