Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Passa-Palavra #amarelo

Charneca em flor, 25.09.20

A Mula e a Mel desafiaram a blogosfera para o Passa-Palavra. Todos os domingos propõem uma palavra diferente para nos inspirarem a escrever. Como não podia deixar de ser eu tinha que participar. Aqui fica o primeiro andamento do desafio.

 

20200925_071416.jpg

O casaco amarelo

Leonor passeava pelo centro da cidade. Sem prestar grande atenção, via as montras da principal rua comercial. Seguia entregue aos seus pensamentos até que, de repente, estancou. Ali estava ele, colorido, luminoso e reluzente. Naquela montra brilhava um espectacular casaco amarelo. Ela nunca vira um casaco daquela cor, mais brilhante do que mil sóis. Só nesse momento percebeu que precisava daquele casaco, custasse o que custasse. Aquela peça de roupa, tão pouco discreta, era o motor que faltava para ela se sentir segura.

Mesmo através do vidro se percebia a macieza da fazenda. Como ela gostaria de lhe tocar, de aconchegar aquela gola de rebuço à volta do pescoço. E o que dizer do corte? Era absolutamente perfeito.

Não se decidia a entrar na loja. O ambiente da boutique não lhe parecia adequado para a sua maneira de ser. Leonor era uma pessoa simples e vestia modestamente. Finalmente resolveu-se a entrar.

Todas as funcionárias levantaram os olhos ao sentirem o movimento de alguém a entrar. Os sorrisos que começavam a esboçar, depressa esmoreceram.
Assim que entrou, viu um expositor com mais casacos iguais. Tocou-lhes ao de leve e sentiu a textura que imaginara. Quando se preparava para retirar um casaco para experimentar, a gerente aproximou-se impedindo-a de o fazer.

- Posso ajudar?
- Obrigada mas já encontrei o que queria.
- Não me parece que esse casaco seja adequado para si.
- Como assim? Nem sequer o experimentei.
A gerente olhou-a de alto a baixo com enfado.
- Este casaco não se enquadra no seu estilo – disse a gerente com rispidez.
- Por isso é que eu estou interessada neste casaco maravilhoso. Não tenho nada assim no meu roupeiro. Já percebi o que está a pensar. Pode ficar descansada que eu posso pagar o casaco. Não se deixe iludir pelo meu aspecto.

A gerente corou violentamente não se percebendo se de vergonha ou de raiva. Enquanto isso Leonor vestia o casaco amarelo e sentiu-se envolvida numa nuvem tal era o conforto. Ainda não estava frio suficiente para usar o casaco mas ela não tinha vontade de o despir. Olhou o reflexo no espelho e adorou o que viu. O contraste do seu cabelo preto com a cor luminosa do agasalho dava-lhe uma aura de mistério. Lá atrás era possível ver a face carrancuda da gerente.

Foi pagar e saiu alegremente vestindo o casaco amarelo-sol apesar do dia soalheiro.

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.