Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Por Ladrar Noutra Coisa, Zaya e Guilherme Duarte

Charneca em flor, 25.12.20

500x (3).jpeg

"Por Ladrar Noutra Coisa" é o diário da cadela Zaya escrita em parceria com o seu dono, o humorista Guilherme Duarte. Não deixa de ser um relato divertido do dia-a-dia visto pelos olhos da sorridente Zaya mas também nos faz pensar em como há humanos que não merecem o amor incondicional que os cães lhe devotam. Revisitamos aquilo que Zaya viveu na sua vida passada, antes de entrar na vida de Guilherme Duarte e da namorada, e acompanhamos a felicidade que ela conheceu quando saiu do canil.

Este livro pretende, em primeiro lugar, divertir mas também emociona e faz pensar. A Zaya mostra-nos como os humanos podem ser complicados e como a vida ser muito mais fácil se não nos levássemos tão a sério.

Já sigo o Guilherme Duarte há muito tempo. Preparem-se para o seu sarcasmo e a sua ironia apurada. E também algumas asneiras .

Aconselho vivamente este diário, especialmente se quisermos passar umas horas repletas de gargalhadas. Bem que precisamos.

"25 de Dezembro Quarta-feira 

Este diário foi uma prenda dos humanos mal cheguei cá a casa. Não quero parecer pobre e mal-agradecida, mas foi um bocado desilusão quando abri o presente. Quando o vi, pensei que fosse uma dessas coisas de que eu gosto e que eles me têm dado: biscoitos diversos, comida duas vezes por dia, brinquedos variados, uma cama... Ainda pensei que fosse uma bola, que eu ADORO, mas pareceu-me logo estranho o formato do embrulho - dificilmente seria uma bola, que as bolas são redondas e eu não sou burra, mas nunca perdi a esperança até o abrir, e só aí é que percebi que era um livro. Pior, um livro com páginas em branco! Os humanos disseram que era um diário para eu escrever. Não percebo a necessidade humana de registarem as coisas que fazem no dia a dia. Escrevem o que fizeram como se tivessem uma vida muito interessante, tiram fotografias por tudo e por nada que nunca mais vão voltar a ver, em vez de aproveitarem o momento."

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.