Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

"As mulheres da minha alma", Isabel Allende

Charneca em flor, 20.06.21

500x.jpeg

Isabel Allende é uma das minhas autoras preferidas. Por isso o seu nome numa capa é sinónimo de qualidade e bons momentos. Este pequeno livro lê-se rapidamente uma vez que se tratam de curtas crónicas onde a autora fala de si, da sua vida, das mulheres e homens que fizeram parte da sua vida, escreve sobre o feminismo e que importância o feminismo teve na sua vida. Aborda também a condição feminina e as diferenças culturais que podem ser determinantes nas oportunidades que cada mulher tem na vida.

Isabel Allende "convoca" algumas mulheres que fazem ou fizeram parte da sua vida e que a continuam a acompanhar como espíritos como sejam a sua filha Paula, a mãe Panchita ou a agente literária Carmen Balcells. Todas essas mulheres ajudaram a construir o feminismo de Isabel Allende. Os homens mais importantes da vida da autora também tiveram um papel na maneira como foi construíndo a sua vida.

O livro tem cerca de 200 páginas e lê-se muito facilmente.

Não se trata de um dos brilhantes romances de Isabel Allende mas uma pequena e breve reflexão sobre a condição feminina, o amor e a vida. Admirável como uma mulher quase com 80 anos continua a escrever de forma tão apaixonada e refrescante.

"o patriarcado continua a ser o sistema dominante de opressão política, económica, cultural e religiosa que confere domínio e privilégios ao sexo masculino.

(...)

E em que consiste o meu feminismo? Não é o que temos no meio das pernas, mas entre as duas orelhas. É uma postura filosófica e uma sublevação contra a autoridade do homem. É uma forma de entender as relações humanas e de ver o mundo, uma aposta na justiça, uma luta pela emancipação  de mulheres, gays, lésbicas, queer (LGBTIQ+), todos os oprimidos pelo sistema e os demais que se nos queiram juntar.

(...)

O patriarcado é pétreo. O feminismo, como o oceano, é fluido, poderoso, profundo e tem a infinita complexidade da vida, move-se em ondas, correntes, marés e, às vezes, tempestades profundas. Como o oceano, o feminismo não se cala."