Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Palavra do ano 2017

Charneca em flor, 13.01.18

Embora já seja o 13° dia do ano 2018, apercebi-me que ainda não tinha falado da Palavra do Ano de 2017.

A PALAVRA DO ANO® é uma iniciativa da Porto Editora que tem como principal objetivo sublinhar a riqueza lexical e o dinamismo criativo da língua portuguesa, património vivo e precioso de todos os que nela se expressam, acentuando, assim, a importância das palavras e dos seus significados na produção individual e social dos sentidos com que vamos interpretando e construindo a própria vida.

A Palavra do Ano escolhida pelos internautas foi Incêndios. Infelizmente, a palavra que dominou o ano de 2017, pelo menos a partir de Junho, foi mesmo esta. Por motivos tristes e trágicos. Aliás eu votei na hipótese "Tragédia" pelos mesmos motivos.

Geringonça

Charneca em flor, 05.01.17

mw-860.jpeg

 Imagem retirada daqui

Geringonça foi escolhida como Palavra do Ano 2016 e eu fiz parte dos 35% de votantes que elegeram esta palavra. Assim que vi as hipóteses; "campeão", "brexit", "parentalidade", "presidente","turismo", "racismo", "humanista", "empoderamento" e "microcefalia"; achei logo que geringonça foi uma palavra marcante e incontornável em 2016.

Geringonça define-se assim: construção pouco sólida e que se escangalha facilmente; caranguejola, aparelho ou máquina considerada complicada; engenhoca, coisa consertada que funciona a custo figurado sociedade ou empresa de estrutura complexa e pouco credível, qualquer coisa ou ideia engendrada de improviso e que funciona com dificuldade.

Esta palavra adquiriu um significado especial ainda em 2015 mas foi amplamente utilizada em 2016. Este termo foi utilizado pela primeira vez por Vasco Pulido Valente, e depois repetido por Paulo Portas no Parlamente, para "definir" o acordo parlamentar de esquerda que sustenta o actual governo. Inicialmente foi utilizada com sentido depreciativo mas, agora, acho que até é apreciada. O primeiro-ministro, António Costa, utiliza-a com alguma frequência normalmente na frase: "é geringonça mas funciona".

 

Eu acho piada à palavra e, obviamente, não podia estar mais de acordo com a escolha.

No ano de 2015, a palavra escolhida foi "refugiado". Infelzmente continuou a fazer parte do nosso vocabulário diário.

 

Palavra do Ano é uma iniciativa da Porto Editora

.