Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

23
Abr18

Uma citação por semana #17

Charneca em flor

Na semana em que se comemora os 44 anos da Revolução dos Cravos, um poema de Manuel Alegre, uma das maiores vozes que cantaram a liberdade

 

Abril de Abril

Era um Abril de amigo Abril de trigo
Abril de trevo e trégua e vinho e húmus
Abril de novos ritmos novos rumos.

Era um Abril comigo Abril contigo
ainda só ardor e sem ardil
Abril sem adjectivo Abril de Abril.

Era um Abril na praça Abril de massas
era um Abril na rua Abril a rodos
Abril de sol que nasce para todos.

Abril de vinho e sonho em nossas taças
era um Abril de clava Abril em acto
em mil novecentos e setenta e quatro.

Era um Abril viril Abril tão bravo
Abril de boca a abrir-se Abril palavra
esse Abril em que Abril se libertava.

Era um Abril de clava Abril de cravo
Abril de mão na mão e sem fantasmas
esse Abril em que Abril floriu nas armas.

Manuel Alegre

19
Fev18

Desafio "Uma citação por semana" #8

Charneca em flor

Para ser grande, sê inteiro: nada

                                                Teu exagera ou exclui.

Sê todo em cada coisa. Põe quanto és 

                                               No mínimo que fazes

Assim em cada lago a lua toda

                                             Brilha, porque alta vive.

 

 

Ricardo Reis, heterónimo de Fernando Pessoa

 

Um poema que pode ser um lema de vida

21
Mar17

Se Tu Viesses ver-me, Florbela Espanca

Charneca em flor

O dia já vai adiantado mas ainda vou a tempo de partilhar um poema neste que é o Dia Mundial da Poesia. Escolhi Florbela Espanca, a poetisa alentejana que me serviu de inspiração ao escolher o meu nickname, Charneca em Flor. O soneto que escolhi pertence, precisamente, ao livro que leva o título de Charneca em Flor

 

Se Tu Viesses Ver-me...

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti...

 

Bons poemas, hoje e todos os dias 

 

11
Jan17

Os imprescindíveis

Charneca em flor

Ontem ouvi este poema. Já conhecia mas não sabia quem era o autor. Fui pesquisar e descobri que é do alemão Bertolt Brecht Independentemente da circunstância em que foi utilizado, ou da pessoa que fez esta citação, é um belo poema e achei que valia a pena partihá-lo convosco. "Há aqueles que lutam um dia; e por isso são bons; Há aqueles que lutam muitos dias; e por isso são muito bons; Há aqueles que lutam anos; e são melhores ainda; Porém há aqueles que lutam toda a vida; esses são os imprescindíveis" Bertolt Brecht

20
Nov16

Mar português

Charneca em flor

20161119_154136

Praia d' El Rei, ontem

 

Mar Português

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma nao é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

                    Fernando Pessoa, in Mensagem

Este conhecido poema espelha bem a alma dos portugueses. A nossa ligação ao mar, a nossa capacidade de arriscar, de partir rumo ao desconhecido. Foi assim nos idos de 1500 e continua a ser hoje. Uns partem por necessidade, outros partem pela aventura. E há portugueses espalhados por todos os recantos do mundo. Com eles levaram um dos maiores tesouros do mundo, a língua portuguesa. Pelos últimos estudos, o português é a quarta língua mais falada pelo mundo já que é falada por mais de 250 milhões de pessoas. É obra.

Eu não penso partir para longe mas também sinto esta ligação ao mar. Olhar esta imensidão faz-me sentir minúscula. E a relativizar as miudezas do dia-a-dia. Olhar este vai e vem das ondas funciona como um tranquilizante (embora ontem o mar até estivesse bem agitado). 

É este, o mar português.

21
Mar15

A Tua Voz de Primavera, Florbela Espanca

Charneca em flor

Para comemorar o Dia Mundial da Poesia, escolhi este poema da minha poetisa preferida (a ponto de ter inspirado o nome que escolhi para a blogosfera). Aproveitem este início envergonhado da Primavera para ler um bom livro de poesia. Num poema, as palavras tornam-se música, sonho e fantasia

 

 

A Tua Voz de Primavera

Manto de seda azul, o céu reflete
Quanta alegria na minha alma vai!
Tenho os meus lábios úmidos: tomai
A flor e o mel que a vida nos promete!

Sinfonia de luz meu corpo não repete
O ritmo e a cor dum mesmo desejo... olhai!
Iguala o sol que sempre às ondas cai,
Sem que a visão dos poentes se complete!

Meus pequeninos seios cor-de-rosa,
Se os roça ou prende a tua mão nervosa,
Têm a firmeza elástica dos gamos...

Para os teus beijos, sensual, flori!
E amendoeira em flor, só ofereço os ramos,
Só me exalto e sou linda para ti!

Florbela Espanca, in "A Mensageira das Violetas"
23
Fev14

Tiago Bettencourt canta Sophia

Charneca em flor

Hoje publico mais um post dedicado ao tema "Poemas que se tornaram canções". Faz parte de um projecto de Tiago Bettencourt "Tiago na toca e os poetas" em que o músico deu vida a poemas dos nossos melhores autores. Escolhi o poema de Sophia de Mello Breyner Andresen porque, esta semana, a Assembleia da República decidiu, em boa hora, pela transladação da poetisa para o Panteão Nacional.

 

Tempo de solidão e de incerteza
Tempo de medo e tempo de traição
Tempo de injustiça e de vileza
Tempo de negação
Tempo de covardia e tempo de ira
Tempo de mascarada e de mentira
Tempo de escravidão
Tempo dos coniventes sem cadastro
Tempo de silêncio e de mordaça
Tempo onde o sangue não tem rasto
Tempo da ameaça.

Mais sobre mim

foto do autor

Livro do momento

Ebook do momento

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D