Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

A minha pátria é a língua portuguesa

Charneca em flor, 27.05.18

100-mais-belas-2.jpg

Já há muito que sou apaixonada pela nossa língua. Adoro ler e escrever. Podia escrever bem melhor como ficou provado neste episódio noutro blogue onde fui "atacada" pelos inúmeros polícias da língua portuguesa. Ontem reuniram-se uma série de circunstâncias que me levaram a reflectir sobre a riqueza da nossa língua seja qual for o local onde é pronunciada.

Tenho andado a ler e a estudar o livro "na ponta da língua" de Sérgio Luís de Carvalho onde são descritas mais de 200 palavras, mais ou menos usadas no dia-a-dia, no que diz respeito ao seu significado e origem.

Também recebi a 1a Granta em Língua Portuguesa que substituí a Granta Portugal. A partir de agora, a Granta é editada em simultâneo nos 2 lados do Oceano Atlântico. O tema desta primeira edição é, muito convenientemente, Fronteiras (ou a ausência delas). Reune textos de vários autores da lusofonia como José Eduardo Agualusa, Francisco BoscoAdriana Lisboa ou Teresa Veiga. Como diz, Carlos Vaz Marques, na última frase da introdução, "Em português nos des/entendemos"

Por coincidência, a crónica da rapper Capicua na revista Visão também girava à volta da língua, nomeadamente, no que diz respeito à diferente pronúncia e ao vocabulário utilizado nas várias regiões do país. Um rapper brinca com as palavras e a Capicua é mestre nesta arte escrevendo também letras para outros artistas. Divagava ela sobre o desejo de escrever uma letra que consagrasse todas as variações que existem na nossa língua que tantas vezes levam a engraçados mal-entendidos. Seria uma letra recheada de palavras e reflectiria aquilo que a Capicua sente na pele já que divide a sua vida entre Lisboa e Porto.

A meu ver, todas as diferenças que o português possa ter, seja a grafia, a pronúncia ou os vocábulos específicos de cada país ou região, é que lhe dão riqueza e a fazem evoluir. Por isso me custa tanto que a espartilhem num Acordo Ortográfico que tenho sido resistente em aplicar. Não me importo nada de ler um romance escrito por um brasileiro já que é assim que se expressa e foi assim que ele aprendeu. Se for uma tradução de um texto ou livro científico já me incomoda mais até pela constatação de que há mais traduções científicas no Brasil do que em Portugal. Na faculdade, troquei traduções brasileiras por originais em inglês porque, em alguns casos, compreendia melhor. Até na relação da nossa língua com o inglês evoluímos de maneira diferente dos brasileiros. 

Pensando bem tenho dificuldade quem está mais correcto, se somos nós ou os outros países lusófonos. Afinal a origem foi este pequeno rectângulo onde vivemos mas, ao sairmos da nossa zona de conforto, espalhámos a língua portuguesa pelos 4 cantos do mundo. Temos que aceitar que esses povos a foram adaptando às suas próprias circunstâncias.

Já dizia Fernando Pessoa, pela pena do seu heterónimo Bernardo Soares, no "Livro do Desassosego", A minha pátria é a língua portuguesa.

Ler

Charneca em flor, 13.02.11

 

Desde pequena que sou viciada em livros. O primeiro livro que me lembro de ter adorado foi uma banda desenhada da Abelha Maia, edição do Circulo de Leitores, oferecido pelo meu padrinho, outro grande leitor, quando eu tinha 5 anos. Obviamente que nessa altura ainda não sabia ler, então chateava a minha mãe para ela me ler os balões vezes sem conta. Quando ela já não tinha paciência, eu resolvia o problema. Folheava o livro, olhava para os desenhos e inventava o que as personagens diziam, ou seja, contava a história à minha maneira.

Ansiava entrar para a escola para aprender a ler. Quando, finalmente, aprendi a ler, lia tudo o que apanhava. Nessa altura, os meus pais não tinham muitas possibilidades de me comprar muitos livros mas, mesmo assim, fui recebendo alguns. Lembro-me de um que eu adorava, "A pequena Sereia". Pelos meus 8/9 anos, o meu pai deu-me um dos melhores presentes que podia ter dado, inscreveu-me na Biblioteca Fixa da Gulbenkian que havia na minha terra. E aí abriu-se um novo mundo para mim. Devo ter sido das sócias mais assíduas lá da Bibiloteca. Graças a isso, fui dando alimentando essa paixão e esse prazer da leitura. Ler a melhor maneira de passar as férias. Nem tem conta os livros que devorei. Em tempos tentei fazer uma lista dos livros que já tinha lido mas é uma tarefa quase impossível.

Desde que comecei a trabalhar, uma da coisas em que fui gastando algum dinheiro foram os livros. Nem sei quantos tenho, só sei que a estante é grande mas mesmo assim os livros já estão em segunda fila. Tenho vários à espera do espaço temporal e psicológico para serem lidos. Não é só a falta de tempo que me impede de ler determinado livro. Já me tem acontecido começar a ler e não conseguir avançar a partir de certa altura. Quando assim é, desisto. Ao fim de algum tempo, às vezes anos, volto a pegar nele e torna-se, para mim, num livro espectacular.

A partir de agora vou tentar ir falando aqui dos livros que for adquirindo e daqueles que conseguir ir lendo.