Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Livros de Cabeceira e outras histórias

Todas as formas de cultura são fontes de felicidade!

Sophia de Mello Breyner Andresen, Isabel Nery

Charneca em flor, 21.06.19

sophia.jpg

Como já tenho escrito por aqui, gosto muito de biografias. Assim que descobri que este livro ia sair, resolvi logo que ele viria morar cá para casa. E não me arrependi. Este livro é um excelente trabalho da jornalista Isabel Nery. Percebe-se que fez uma extraordinária investigação para percebermos quem foi esta figura maior da cultura portuguesa do século XX. Para fazer este livro, Isabel Nery procurou as origens de Sophia chegando ao ponto de ir à ilha onde o seu bisavô Jan Andresen nasceu e de onde saiu na viagem que terminou, inesperadamente, no Porto. Nesta obra, descobrimos que Sophia foi, ao mesmo tempo, humana e divina. O livro aborda as origens, como já disse, a ligação com o mar, com a Grécia, a relação com a família incluindo a relação com Francisco Sousa Tavares e com os filhos, com os amigos, com outros escritores e a sua intervenção cívica e política. 

Este livro reforçou a minha convicção de que Sophia de Mello Breyner Andresen foi uma pessoa especial. Para além do seu talento, amplamente conhecido, encontrei uma personalidade peculiar, uma mulher, ao mesmo tempo forte e frágil, e que dominou a língua portuguesa como ninguém. 

Esta obra devia ser de leitura obrigatória para todos os portugueses, especialmente neste ano em que se comemora o centenário do seu nascimento.

"Mais do que um lugar, a Grécia passou a ser um estado de espírito. Uma explicação. Ao ponto de amigos e confidentes como frei Bento Domingues afirmarem que Sophia era composta por mar e cultura grega.

De facto, dificilmente se compreenderá a relação simbiótica entre ética, estética, poder e a poesia de Sophia sem rumar à Grécia. Agora não tanto ao território geográfico da luz pura, que idealiza, mas ao legado helénico da cultura que Homero, considerado o educador de todos os poetas, deixou ao Ocidente."

"E 《O Poeta》:

O poeta é igual ao jardim das estátuas 

Ao perfume do Verão que se perde no vento.

Veio sem que os outros nunca o vissem

E as suas palavras devoravam o tempo."

               Os Poetas, Sophia de Mello Breyner Andresen 

 

Centenário de Sophia

Charneca em flor, 14.01.19

21294287_zfYKN.jpeg

 

Este ano, Sophia de Mello Breyner Andersson faria 100 anos no dia 6 de Novembro. Por iniciativa da sua filha Maria Andresen de Sousa Tavares, durante todo o ano irão realizar-se inúmeras actividades para celebrar a sua vida e a sua obra. Desde colóquios, exposições, concertos entre outros eventos. O programa pode ser consultado aqui. Uma oportunidade para celebrarmos a literatura portuguesa celebrando a vida de um dos seus nomes maiores.

"No Centenário do seu nascimento, comemorar Sophia é comemorá-la, lembrá-la em comum. E é celebrar essa funda e desassombrada exaltação da vida, essa aguda e universal consciência do mundo de que a sua poesia dá testemunho para sempre.

(...)

Celebrar Sophia no Centenário do nascimento é ouvir a sua voz dizer os poemas por onde passam o mundo e a vontade de o tornar real, nítido e justo como são as palavras em que o disse."

                                Manifesto do Centenário de Sophia

Sophia no Panteão Nacional

Charneca em flor, 02.07.14

 

Hoje, quando passam 10 anos da sua morte, Sophia de Mello Breyner Andresen será transladada para o Panteão Nacional. Do ponto de vista do Estado Português, parece-me uma justa homenagem já que se trata de um dos maiores nomes da poesia portuguesa. Haveria, também, outras medidas que podiam ser tomadas para honrar esta grande mulher. Por exemplo, tornar a sua obra mais conhecida, nomeadamente voltando a colocá-la nos curriculos escolares. A transladação fará com que se fale mais dela, hoje. Amanhã, se calhar, já ninguém se lembra. Ora se houvesse novos leitores para a sua obra, aí é que a memória de Sophia se manteria verdadeiramente viva.

Os restos mortais da poetisa saem do cemitério de Carnide para a Capela do Rato pelas 16:30. Após a celebração de missa, o corpo irá atravessar Lisboa, passando pela Assembleia da República e ao longo do Rio Tejo, devendo o cortejo chegar ao Panteão Nacional às 19:00.

 

Quando

 

Quando o meu corpo apodrecer e eu for morta 
Continuará o jardim, o céu e o mar, 
E como hoje igualmente hão-de bailar 
As quatro estações à minha porta. 

Outros em Abril passarão no pomar 
Em que eu tantas vezes passei, 
Haverá longos poentes sobre o mar, 
Outros amarão as coisas que eu amei. 

Será o mesmo brilho, a mesma festa, 
Será o mesmo jardim à minha porta, 
E os cabelos doirados da floresta, 
Como se eu não estivesse morta. 

 

Sophia de Mello Breyner Andresen, in 'Dia do Mar'

Tiago Bettencourt canta Sophia

Charneca em flor, 23.02.14

Hoje publico mais um post dedicado ao tema "Poemas que se tornaram canções". Faz parte de um projecto de Tiago Bettencourt "Tiago na toca e os poetas" em que o músico deu vida a poemas dos nossos melhores autores. Escolhi o poema de Sophia de Mello Breyner Andresen porque, esta semana, a Assembleia da República decidiu, em boa hora, pela transladação da poetisa para o Panteão Nacional.

 

Tempo de solidão e de incerteza
Tempo de medo e tempo de traição
Tempo de injustiça e de vileza
Tempo de negação
Tempo de covardia e tempo de ira
Tempo de mascarada e de mentira
Tempo de escravidão
Tempo dos coniventes sem cadastro
Tempo de silêncio e de mordaça
Tempo onde o sangue não tem rasto
Tempo da ameaça.